Qual era o lugar de muitos corpos diferenciados que fugiam da normalidade e/ou que eram detentores de diferenças gritantes que a própria academia cientifica não dominava ou desconhecia?

Este filme mostra em vários momentos esses lugares. Como esses corpos eram tratados, humilhados, perseguidos, escravizados ao extremo, com muita dor, humilhação e extrema violência por toda a sociedade. É no Circos em que esses corpos eram “expostos” para que seus “donos” os desdenhassem aos gritos, anunciando um grande espetáculo que incluía também a mulher barbuda, o gigante, o anão, etc. Este não é o único filme que mostra os lugares que ocupavam esses corpos. Estarei postando outros aqui no blog.

Muitas emoções sempre vem a flor da pele quando trabalho esse filme com as alunas do Curso Normal. Sempre alerto as alunas para não colocar as emoções à frente do debate. Sempre nos emocionamos, porém precisamos ir além dessas emoções que inicialmente nos chocam e ir principalmente em busca das emoções que nos fazem refletir e analisar os verdadeiros fundamentos que norteiam o filme, para uma discussão mais ampla do papel do ser humano e de suas convicções e normas.

Não deixe de ver este filme com esse olhar. Tente refletir as heranças que recebemos quando lidamos com corpos “estranhos” que fogem a normatização. Como a sociedade lidou com isso. Como as ações políticas na tentativa de resgatar esses corpos na verdade tem vindo para integrar esse sujeito e considerá-lo um cidadão como um outro sujeito e com suas possibilidades. Como as questões clinicas são sempre abordadas quando envolvem a vida nesses indivíduos.